sábado, 12 de junho de 2010

Baladinha romântica para o dia dos namorados


Entre guitarras e amplificadores mora o meu grande amor. Nós nos conhecemos em pleno carnaval. O frevo comemorava seus 100 anos, mas meu pé estava engessado. Eu havia sofrido uma queda “cinematográfica no cinemark”, quando descia as escadas com um saco de pipoca. Dois exilados do axé, das melecas e mela-melas do carnaval que se festeja por estas bandas, passamos os dias conversando. E ele era inteligente e tocava guitarra numa banda, o que eu achava um charme. Então criei coragem e, com o ar mais casual que consegui forjar, dei um beijo. 

Quando fomos morar juntos, foi uma confusão. Éramos dois solteirões cheios de manias e eu levei junto uma família: dois akitas, também cheios de manias. Tivemos (e ainda temos) que aprender muito. Eu, com meu individualismo, minhas teorias sobre o “mito do amor romântico” e a fragilidade das relações humanas, estou aprendendo, na convivência com ele, que amar é dar um passo adiante, é ser voluntário numa missão difícil. É chegar bem perto da beira do abismo, sem medo de ser derrubada pelo vento, só porque de lá a vista é mais bonita. 

E  a pele dele tem um cheiro maravilhoso de manhã, ele tem um sorriso de menino que acabou de aprontar alguma, gosta dos Beatles e dos Rolling Stones. A nossa vida em conjunto tem sabor de vodka (absolut, please) e muito rock 'n' roll.


Um comentário:

Carlos Augusto [Floyd] disse...

Gosto de você por és assim diferente e de tão diferente que acho que também sou, terminamos sendo iguais.
Gostamos de coisas parecidas e gostamos um do outro.
Uma vez você me perguntou "por que você está comigo?" Ora, é como você perguntar a uma criança por que ela gosta de sorvete... E é até engraçado por que a resposta pode ser parecida: Por que você é doce, com uma casquinha que se quebrada consegue se revelar derretida por dentro... Na realidade eu prefiro esse seu lado derretido.
Não me incomodo de que trazer você cochilando no carro, o que me incomoda e estar longe de você, não ter notícias e perder o contato, como até pensei de outra vez que seria para sempre.
Em certo momento eu estava lá embaixo daquele abismo que você estava recebendo a brisa e tudo o que eu ouvi, me fizeram por várias vezes pensar que eu não iria conseguir sair. Mas estou aqui, são e salvo e do teu lado.
Embarcamos nessa juntos, por decisão nossa, livre e espontânea e cá estamos, com a mesma missão de antes [ficar juntos].
Sou apaixonado por seu jeito meigo, adoro te beijar e acho você uma pessoa fantástica.

Eu estou nessa com você para o que der e vier.

[Feliz Dia dos Namorados]

Carlos Augusto.